Site em Japonês - 日本語サイト   
  
LEIA +

NISHIMORI APRESENTA RELATÓRIO DA COMISSÃO ESPECIAL DOS DEFENSIVOS FITOSSANITÁRIOS NA FPA

O deputado federal Luiz Nishimori (PR-PR) apresentou no tradicional almoço da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a proposta de substitutivo do projeto 6299/02 da Comissão Especial dos Defensivos Fitossanitários, o parlamentar é relator da Comissão e Coordenador de Relações Internacionais d...

LEIA +

NISHIMORI PRESIDE REUNIÃO COM ADIDOS AGRÍCOLAS NA FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA

O coordenador de Relações Internacionais da FPA, deputado Luiz Nishimori (PR- PR) presidiu uma reunião com adidos agrícolas estrangeiros sediados em Brasília e com candidatos à posição de adido agrícola junto a missões diplomáticas brasileiras no exterior. Adido é um funcionário diplomático nomea...

LEIA +

NISHIMORI PRESIDE AUDIÊNCIA EM CELEBRAÇÃO AOS 109 ANOS DA IMIGRAÇÃO JAPONESA

O evento realizado no dia 21 de junho, foi resultado do requerimento apresentado pelo deputado federal Luiz Nishimori (PR-PR), Presidente do Grupo Parlamentar Brasil Japão, para comemorar os 109 anos da Imigração Japonesa no Brasil, e debater a relação bilateral entre as duas nações. Nishimori ressa...

LEIA +

NISHIMORI SOLICITA AUDIÊNCIA COM MINISTRO GILMAR MENDES

O deputado federal Luiz Nishimori esteve em audiência com o Presidente do TSE, o Ministro Gilmar Mendes, para discutir sobre a portaria 372/17 do TSE. O deputado solicitou a audiência e apresentou para o Ministro as preocupações com as consequências da extinção de zonas eleitorais no Paraná, "o inte...

A nossa missão no combate à improbidade administrativa

25/09/2013 08:57:00

Autor: Luiz Nishimori

Peça imprescindível na maioria dos casos de má gestão pública, a improbidade administrativa surge como um ilícito afrontamento ao princípio da moralidade, previsto no artigo 37 parágrafo 4º da Constituição Federal, derivando assim a outros meios de corrupção pública.

Anteriormente, a utilização da expressão Improbidade Administrativa tinha o cunho para os agentes políticos de crime de responsabilidade e para os servidores públicos com o viés de enriquecimento ilícito no exercício do cargo ou profissão, hoje tendo uma conotação mais ampla, como dito antes, aparece como uma lesão à moralidade administrativa.

No entanto, o Judiciário, enquanto alguns doutrinadores jurídicos permaneciam resistentes em invalidar alguns atos viciados pela improbidade administrativa, associava à imoralidade administrativa uma espécie de agravante de ilegalidade.

Com o advento da Constituição Cidadã de 1988, a inclusão do Princípio da Moralidade ganhou um peso enorme, atingindo desde o Presidente da República até os servidores públicos. A exigência da moralidade passou alcançar toda a Administração Pública. Com a criação da Lei 8429/92, a lei de Improbidade Administrativa conseguiu atacar não só os atos desonestos ou imorais, mas principalmente atos ilegais.

Os atos de improbidade são definidos em três pela Lei 8429/92, o primeiro em seu artigo 9º, cuida dos atos de improbidade que importa no enriquecimento ilícito; já no artigo 10º, os atos ímprobos que causam prejuízos ao erário; e, por fim, e não menos importante, os atos que atentam contra os princípios da Administração Pública.

Muito embora se discuta amplamente, a Improbidade Administrativa não é crime, não se sujeitando às normas do Direito Penal, mas sim às regras do Direito Civil com sanções administrativas, como perdas de mandatos e funções/cargos públicos, ressarcimento integral do dano, multas e suspensão dos direitos políticos, entre outros.

Órgãos como o Ministério Público não medem esforços para fiscalizar e combater tais práticas, mas nós, cidadãos, por sermos maiores e estarmos presentes nos diversos pontos do Brasil, temos a obrigação de acompanhar de perto esses atos infelizes que ainda se encontram presentes em nosso cotidiano. E o mais importante, em posse dessas informações de escândalos e cometimento de irregularidade por maus políticos, filtrarmos nossos votos, escolhendo melhor nossos representantes.

Momentos como este pelo qual passamos, quando a sociedade clama por governos mais honestos e comprometidos com os interesses públicos, um padrão de comportamento ÉTICO é o que se espera de todo agente público em nosso País.

É como disse Montesquieu, “a corrupção dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios”.


Fonte: PSDB na Câmara
http://www.psdbnacamara.com.br/wordpress/?p=97487

Voltar

Copyright© 2017 Luiz Nishimori

Todos os direitos reservados.

Powered by: